Carregando...
Jusbrasil - Legislação
19 de janeiro de 2022

Medida Provisoria 2212/01 | Medida Provisória no 2.212, de 30 de agosto de 2001

Publicado por Presidência da Republica (extraído pelo Jusbrasil) - 20 anos atrás

LEIAM 0 NÃO LEIAM

Institui o Programa Nacional de Apoio ao Associativismo e Cooperativismo Social - Pronacoop Social, e dá outras providências. Ver tópico (205 documentos)

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea “a”, da Constituição, DECRETA:

Art. 1o Fica instituído o Programa Nacional de Apoio ao Associativismo e ao Cooperativismo Social - Pronacoop Social, com a finalidade de planejar, coordenar, executar e monitorar as ações voltadas ao desenvolvimento das cooperativas sociais e dos empreendimentos econômicos solidários sociais. Ver tópico

Parágrafo único. O Pronacoop Social será desenvolvido pela União em parceria com Estados, Distrito Federal e Municípios, a iniciativa privada, e pessoas em situação de desvantagem, seus familiares e entidades de representação. Ver tópico

Art. 2o Para os fins deste Decreto, consideram-se: Ver tópico

I - cooperativas sociais - cooperativas cujo objetivo é promover a inserção social, laboral e econômica de pessoas em desvantagem, nos termos do art. 3o da Lei nº 9.867, de 10 de novembro de 1999; e Ver tópico

II - empreendimentos econômicos solidários sociais - organizações de caráter associativo que realizam atividades econômicas, cujos participantes sejam pessoas em desvantagem, nos termos do art. 3º da Lei nº 9.867, de 1999, e exerçam democraticamente a gestão das atividades e a alocação dos resultados. Ver tópico

Art. 3o São princípios do Pronacoop Social: Ver tópico (1 documento)

I - respeito à dignidade e independência da pessoa, inclusive a autonomia individual e coletiva; Ver tópico

II - não discriminação e promoção de igualdade de oportunidades; Ver tópico

III - participação e inclusão de pessoas em desvantagem na sociedade e respeito pela diferença como parte da diversidade humana; Ver tópico

IV - geração de trabalho e renda a partir da organização do trabalho com foco na autonomia e autogestão; Ver tópico

V - articulação e integração de políticas públicas para a promoção do desenvolvimento local e regional; e Ver tópico

VI - coordenação de ações dos órgãos que desenvolvem políticas de geração de trabalho e renda para as pessoas em desvantagem. Ver tópico

Art. 4o São objetivos do Pronacoop Social: Ver tópico (1 documento)

I - incentivar a formalização dos empreendimentos econômicos solidários sociais em cooperativas sociais; Ver tópico

II - promover o fortalecimento institucional das cooperativas sociais e dos empreendimentos econômicos solidários sociais, e a qualificação e formação dos cooperados e associados; Ver tópico (1 documento)

III - promover o acesso ao crédito; Ver tópico

IV - promover o acesso a mercados e à comercialização da produção das cooperativas sociais e dos empreendimentos econômicos solidários sociais; Ver tópico

V - incentivar a formação de redes e cadeias produtivas constituídas por cooperativas sociais e empreendimentos econômicos solidários sociais; e Ver tópico

VI - monitorar e avaliar os resultados e alcances sociais e econômicos das políticas de apoio ao cooperativismo e ao associativismo social. Ver tópico

Art. 5o Serão utilizados os seguintes instrumentos para o cumprimento dos objetivos do Pronacoop Social: Ver tópico (1 documento)

I - programas de formação continuada que atendam às necessidades dos trabalhadores das cooperativas sociais e dos empreendimentos econômicos solidários sociais; Ver tópico

II - oferta de padrões tecnológicos e gerenciais para a condução de suas atividades; Ver tópico

III - capacitação tecnológica e gerencial de pessoas em situação de desvantagem que desejem ingressar ou formar cooperativas sociais e empreendimentos econômicos solidários sociais; Ver tópico

IV - linhas de crédito existentes ou a serem criadas, nos termos da lei; Ver tópico

V - abertura de canais de comercialização dos produtos e serviços, que possibilitem o acesso das cooperativas sociais e empreendimentos econômicos solidários sociais às compras públicas; e Ver tópico

VI - transferência de recursos, nos termos da legislação vigente. Ver tópico

Parágrafo único. O acesso dos empreendimentos econômicos solidários sociais aos instrumentos previstos nos incisos IV, V e VI do caput depende de sua constituição como pessoa jurídica. Ver tópico

Art. 6o O Pronacoop Social será coordenado por um Comitê Gestor, que terá as seguintes atribuições: Ver tópico

I - coordenar e acompanhar a implementação das ações previstas neste Decreto; Ver tópico

II - propor metas e normas operacionais para o Programa; Ver tópico

III - promover estratégias de articulação de programas, projetos e atividades voltadas ao desenvolvimento do cooperativismo e do associativismo social; Ver tópico

IV - propor ações de formação e capacitação em cooperativismo e associativismo social para técnicos e gestores que atuem junto às pessoas em situação de desvantagem; Ver tópico

V - propor critérios para aprovação de projetos, aplicação de recursos e avaliação dos resultados das cooperativas sociais e dos empreendimentos econômicos solidários sociais, observada a legislação em vigor; Ver tópico

VI - propor iniciativas para o acesso ao crédito; Ver tópico

VII - manter banco de dados atualizado do cooperativismo e do associativismo social no Brasil; e Ver tópico

VIII - propor adequações e aperfeiçoamentos ao marco legal das cooperativas sociais. Ver tópico

Art. 7o O Comitê Gestor do Pronacoop Social será composto por um representante, titular e suplente, dos seguintes órgãos: Ver tópico

I - Ministério do Trabalho e Emprego; Ver tópico

II - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Ver tópico

III - Ministério da Saúde; Ver tópico

IV - Ministério da Justiça; Ver tópico

V - Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República; e Ver tópico

VI - Secretaria-Geral da Presidência da República. Ver tópico

§ 1o Serão convidados a compor o Comitê Gestor seis representantes de entidades da sociedade civil, de caráter nacional, a serem selecionadas segundo critérios objetivos previamente definidos em ato conjunto dos órgãos previstos nos incisos I a VI do caput. Ver tópico

§ 2o O Comitê Gestor será coordenado pela Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego. Ver tópico

§ 3o O regimento interno do Comitê Gestor disporá sobre sua organização e funcionamento, e será aprovado pela maioria absoluta de seus membros e publicado por portaria do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego. Ver tópico

§ 4o O Comitê Gestor poderá convidar representantes de outros órgãos e entidades públicas ou instituições da sociedade civil para participar das reuniões. Ver tópico

§ 5o Os membros a que se referem os incisos I a VI do caput e seus suplentes serão indicados pelos titulares dos órgãos e designados por ato do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego. Ver tópico

§ 6o Os membros a que se refere o § 1o e seus suplentes serão indicados pelos titulares das entidades e designados por ato do Ministro de Estado do Trabalho e Emprego. Ver tópico

§ 7o A participação dos membros do Comitê Gestor é considerada prestação de serviço público relevante e não será remunerada. Ver tópico

Art. 8o As despesas decorrentes da execução das ações e projetos do Pronacoop Social serão custeadas pelas dotações orçamentárias da União, consignadas anualmente nos orçamentos dos órgãos e entidades envolvidos no Programa, observados os limites de movimentação, de empenho e de pagamento da programação orçamentária e financeira anual. Ver tópico

Parágrafo único. As despesas necessárias ao funcionamento do Comitê Gestor serão custeadas por dotações orçamentárias consignadas no orçamento do Ministério do Trabalho e Emprego. Ver tópico

Art. 9o Este Decreto entra em vigor na datada de sua publicação. Ver tópico

Brasília, 20 de dezembro de 2013; 192º da Independência e 125º da República.

DILMA ROUSSEFF

José Eduardo Cardozo

Manoel Dias

Alexandre Rocha Santos Padilha

Tereza Campello

Gilberto Carvalho

Maria do Rosário Nunes

Este texto não substitui o publicado no DOU de 20.12.2013 - Edição extra

* ÿÿ

×

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)